Log in

 

 

Era uma vez uma mulher com sete filhos ...

  • blogue
  • Visualizações: 358

Era uma vez uma mulher com sete filhos que passava o tempo a lastimar-se do seu infortúnio e das dificuldades que constantemente atravessava.

Num dia de grande desespero, surgiu-lhe um anjo que lhe entregou um saco muito grande e lhe pediu: “Despeja para dentro deste saco todos os teus problemas, mágoas e dificuldades”.

Após o ter feito, levou-a consigo até ao céu transportando o saco que tinha acabado de encher. Quando chegaram a mulher ficou espantada.

Lá bem no alto, na vez de encontrar um lugar aprazível, deparou-se com um espaço muito grande cheio de sacos, parecidos com o seu.

Então o anjo mencionou-lhe: “Abandona o teu saco, vai ver os outros e leva depois contigo aquele de que mais gostares”.

Ao abrir os sacos a mulher verificou, admirada, que também estes continham coisas desagradáveis: problemas graves, conflitos, dificuldades pessoais, carências económicas, desgostos pela morte de entes queridos, e muitas outras coisas, semelhantes às suas.

Ao chegar a um saco que lhe parecia o último, esvaziou-o por completo, separou as diversas partes do conteúdo e depois começou a arrumá-lo de um modo mais adequado.

E após o ter enchido de novo, de uma forma organizada, gostou dele pareceu-lhe mais leve e disse que o levava consigo de volta. Só então reparou que este saco, que acabara de arrumar e lhe parecia mais leve afinal … afinal, era o mesmo saco que tinha trazido!

Esta metáfora oriental leva-nos a considerar que ninguém está livre do stress. Permite-nos também concluir que, quando se esvazia um saco, se identifica o conteúdo e se aprende depois a organizá-lo, o saco se torna mais leve.

Autor: Peseschkian (1986)

Log in or Sign up